Conhecendo ecossistemas: delta estuarino, lagunas, lagoas e restingas

Autores: Lucas Rodrigues da Silva, Mariana P. Haueisen, Thais R. Semprebom e Douglas Peiró



Vista da Laguna de Itaipu, Niterói/RJ. Fonte: Lucas Rodrigues, 2019 ©.



ECOSSISTEMAS DA ZONA COSTEIRA BRASILEIRA


Por conta da longa extensão do Brasil e diferentes características de cada região da costa, a zona costeira brasileira contém habitats e ecossistemas distintos. Na região norte do país, os ecossistemas costeiros predominantes são estuários de rios (como do Rio Amazonas) e planícies lamosas. Na costa do nordeste, são predominantes os ecossistemas de dunas, estuários com manguezais, deltas-estuarinos de rios e recifes de franja. Já no sudeste-sul, encontramos estuários de rios, baías estuarinas e, especialmente, as lagunas costeiras. Costões rochosos e praias arenosas também são considerados ecossistemas costeiros que podem ser encontrados em toda a costa.



O QUE É UM ESTUÁRIO?


Estuários são ambientes de transição entre o rio e o mar. São encontrados próximos aos oceanos, ao redor de todo o planeta, podendo variar na origem, tamanho e tipo. Exemplos deste ecossistema são: lagunas, baías, lagoas e deltas. Os manguezais são ecossistemas associados diretamente com os estuários. Porém, todos eles vão compartilhar uma principal característica: mistura de água doce com água salgada, o que proporciona um ambiente rico em vida.



O QUE É UM DELTA ESTUARINO?


É chamado de delta o ambiente estuarino localizado na porção final de um rio (foz). A sua formação acontece com o acúmulo de sedimento (trazidos pelo rio durante todo o ano) em uma região geralmente próxima ao mar, onde o rio perde sua força e se ramifica. O nome delta está relacionado com o seu formato triangular, muito parecido com a letra grega delta (Δ). Um delta-estuarino é ligeiramente diferente: eles possuem áreas de depósitos sedimentares dentro e fora da desembocadura dos rios.



Representação de um delta. Na imagem, o Rio Nilo (coloração esverdeada) indo para o mar e, em destaque, sua desembocadura em formato de delta, uma região onde os sedimentos carregados ficam depositados. Fonte: Google Earth Pro, 2020.



LAGUNAS E LAGOAS COSTEIRAS


Lagunas são porções de água paralelas à região costeira, onde são protegidas por uma faixa de areia em forma de barreira (normalmente ocorre a presença do ecossistema de restinga), mais frequentemente encontradas na região sudeste e sul do Brasil. Possuem pouca movimentação e profundidade relativamente baixa.



Coleta de zooplâncton na maré vazante (água saindo da lagoa), realizada por alunos, professores e colaboradores da Faculdade Maria Thereza, na Lagoa de Itaipu, em Niterói/RJ. A coloração turva é característica da quantidade elevada de material orgânico (esgoto doméstico, ligação com outra lagoa) depositado na lagoa. Fonte: Lucas Rodrigues, 2019 ©.



As lagunas podem ser ligadas ao mar por canais ou até mesmo subterraneamente. A salinidade da água pode variar de acordo com a chuva (descarga de água doce), taxa de evaporação (aumento da salinidade) e depende do horário do dia, por conta da maré. Com uma maré enchente, a água do mar tende a entrar na laguna, fazendo com que a água se torne mais salgada. Já em uma maré vazante, a água da laguna tende a ir para o mar, tornando a água salobra. Unidos a este ecossistema, também devem-se considerar os lagos costeiros. Diferente das lagunas, os lagos costeiros tiveram seus canais de ligação com o mar fechados e, consequentemente, possuem uma salinidade baixa e biodiversidade própria.



RESTINGA


O nome “restinga” é dado para comunidades vegetais que se desenvolvem sob influência do mar em cordões arenosos, praias e dunas de nosso litoral. As restingas são um exemplo de ecossistema costeiro extremamente frágil da Mata Atlântica, com vegetação majoritariamente rasteira.


Agrupam diversas comunidades vegetais (arbustos, subarbustos, árvores) e conseguem suportar condições adversas: além de ventos intensos e luz solar direta, o solo é instável, com pouca capacidade de reter água, pobre em nutrientes e extremamente salgado. Apesar de ser um ecossistema frágil, esta vegetação proporciona um ambiente de extrema importância para a preservação de rios, (atuando contra processos erosivos na margem), disponibilidade de alimento, abrigo e local para nidificação para fauna local e migratória.



Restinga de Itaipu, Niterói/RJ. Fonte: Lucas Rodrigues, 2019 ©.



PRINCIPAIS AMEAÇAS


Restingas, lagunas e lagoas podem ter um problema em comum: a especulação imobiliária. Construções acabam se tornando atraentes por estarem próximas ao mar, como mostra a primeira imagem, onde é notável o contraste dos barcos de pesca artesanal e prédios residenciais. Isso torna as pesquisas nesses ambientes de extrema necessidade, pois com elas, podemos indicar a importância desses ecossistemas, na preservação de espécies endêmicas, suas relações ecológicas e reduzir, com o auxílio dos resultados desses estudos, possíveis construções que podem impactar de grande forma esses locais.




Bibliografia


AMADOR E. S. Aspectos ambientais associados à extração de areias do litoral do estado do Rio de Janeiro. Anuário do Instituto de Geociências da Universidade Federal do Rio de Janeiro. v.11. 1987. Disponível em: <http://www.ppegeo.igc.usp.br/index.php/anigeo/article/view/2158/1918> Acesso em: 26/03/2020.


BRASIL. Ministério do Meio Ambiente/Conselho Regional do Meio Ambiente (CONAMA). Aprova como parâmetro básico para análise dos estágios sucessionais da vegetação de Restinga para o Estado de Santa Catarina. Resolução n. 261, de 30 de junho de 1999. Publicação no Diário Oficial da União – 02/08/1999. Disponível em: <https://www.mma.gov.br/estruturas/202/_arquivos/conama_res_cons_1999_261_estgios_sucessionais_de_vegetao_de_restinga_sc_202.pdf> Acesso em: 28/03/2020.


CASTRO, P.; HUBER, M. E. Estuários - onde os rios encontram o mar. In CASTO, P.; HUBER, M. E. (Org.). Biologia Marinha. 8ª ed. Porto Alegre: AMGH, 2012. p. 287-306.


CHRISTOPHERSON, R.W.; BIRKELAND, G.H. Geossistemas: Uma Introdução à Geografia Física. 9ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2017.


FREITAS A.F. et al. A Floresta Nacional (FLONA) da Restinga de Cabedelo e a sua influência no clima urbano da cidade de Cabedelo-PB. Journal of Environmental Analysis and Progress v.03 n.02 181-190. 2018. Disponível em: <http://www.journals.ufrpe.br/index.php/JEAP/article/view/1650> Acesso em: 26/03/2020.


KNOPPERS, B.; SOUZA, W.F.L.; EKAU, W.; FIGUEIREDO, A.G.; SOARES-GOMES, A, C. A Interface Terra-mar do Brasil. In PEREIRA, R.C.; SOARES-GOMES, A. (Org.). Biologia Marinha. 2ª ed. Rio de Janeiro: Editora Interciência, 2009.


LOPES A.B., SILVA M.M., JÚNIOR J.C.F.M. Estratégias funcionais de Vanilla chamissoni (Orchidaceae) em ambientes arbustivo e florestal de restinga. Revista Brasileira de Geografia Física v.12, n.02 355-364. 2019. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/333889314_Estrategias_funcionais_de_Vanilla_chamissonis_Orchidaceae_em_ambiente_arbustivo_e_florestal_de_restinga> Acesso em: 19/03/2020


POPP, J.H. Geologia Geral. 7ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 2017.


QUEIROZ, E.P.; CARDOSO, D.B.O.S.; FERREIRA, M.H.S. Composição florística da vegetação de restinga da APA Rio Capivara, Litoral Norte da Bahia, Brasil. Sitientibus série Ciências Biológicas 12(1): 119–141. 2012. Disponível em:<https://www.researchgate.net/profile/Domingos_Cardoso/publication/274523962_Composicao_floristica_da_vegetacao_de_restinga_da_APA_Rio_Capivara_Litoral_Norte_da_Bahia_Brasil/links/5630ff5108ae13bc6c354e6b.pdf> Acesso em: 09/05/2020.


SILVA M.P.P., ZICKEL C.S., PÔRTO K.C. Bryophyte communities of restingas in Northeastern Brazil and their similarity to those of other restingas in the country. Acta Botanica Brasilica 30(3): 455-461. 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/abb/v30n3/0102-3306-abb-2016abb0130.pdf> Acesso em: 19/03/2020

Assine a lista exclusiva e receba novidades!

© 2020 Instituto de Biologia Marinha Bióicos