O papel das conchas no ambiente marinho

Atualizado: Jun 10

Autores: Fernanda Cabral Jeronimo, Raphaela A. Duarte Silveira, Thais R. Semprebom e Douglas F. Peiró



O hábito de retirar conchas da praia é comum e pode ser prejudicial ao ecossistema marinho. Fonte: Julia Roman/Pixabay (CC0)

Como não pensar em conchas quando se fala de praia? Como não se encantar com as diversas formas e cores que possuem? Querer levar um pedacinho de um lugar para casa pode parecer uma boa lembrança, porém traz consequências a longo prazo para o ecossistema.


QUAL A IMPORTÂNCIA DAS CONCHAS E DO QUE SÃO FEITAS?

As conchas estão presentes na maioria dos moluscos marinhos externamente, como nas ostras, ou internamente, como nas lulas; e possuem a função de sustentar e proteger esses animais, que possuem o corpo mole.

Tomaremos como exemplo o mexilhão Mytilus edulis. Desde a fase larval até a fase adulta, a alimentação permite ao organismo retirar do mar substâncias essenciais para sua formação e desenvolvimento. Uma dessas importantes substâncias é o carbonato de cálcio que, ao ser gradativamente secretado e liberado pelo manto (tecido epidérmico), forma a concha do mexilhão.


Esquema mostrando a anatomia do mexilhão. Fonte: adaptado de OpenClipart-Vectors/Pixabay (CC0)


Com a morte de animais como o mexilhão, sua concha se deposita no fundo do mar é decomposta por alguns microrganismos e progressivamente degradada, disponibilizando novamente o cálcio no meio ambiente para ser utilizado por outros animais ou formações calcárias, e até mesmo compor parte do sedimento das praias.

Essa sequência é chamada de ciclo do cálcio, um ciclo biogeoquímico de extrema importância aos ecossistemas, pois possibilita a reciclagem de elementos químicos no meio ambiente.


A CONSEQUÊNCIA DA RETIRADA DE CONCHAS

Mesmo após a morte do animal, as conchas ainda podem ser facilmente encontradas na praia de forma íntegra. Isso acontece porque o carbonato de cálcio confere rigidez e resistência à estrutura, podendo preservar suas formas e cores, que chamam a atenção principalmente dos turistas. Muitas vezes, os visitantes optam por levar o material como forma de lembrança, seja in natura ou em artesanatos. No entanto, a retirada em grande escala pode gerar grandes impactos ao ambiente marinho que é especialmente sensível, como a queda da disponibilidade de cálcio. Essa alteração impacta até mesmo os moluscos que não fabricam as próprias conchas.

As muitas espécies de ermitões, crustáceos pertencentes à Ordem Decapoda, utilizam conchas desocupadas de gastrópodes para se proteger, criando para si um microambiente úmido. Conforme seu crescimento, a concha ocupada torna-se pequena demais para abrigar o ermitão, exigindo que seja substituída por uma concha maior.

Se não há conchas disponíveis no ambiente, essa troca não será possível, o que deixa o animal vulnerável em seu próprio habitat, ameaçando sua sobrevivência. Dessa forma, aumentam as disputas entre as espécies por abrigos calcários e isso pode ter um alto custo, como exemplificado na imagem abaixo, onde um ermitão depende da interação com o lixo para se abrigar, utilizando uma lata de metal no lugar da concha.


Caranguejo ermitão terrestre Coenobita brevimanus utilizando uma lata para se abrigar. Fonte: Naturalselections/Wikimedia Commons (CC BY-SA 4.0)


A CONSEQUÊNCIA DO EXCESSO NÃO NATURAL DE CONCHAS

Tratando-se de conchas e reciclagem de nutrientes, não só a diminuição do estoque calcário causa impactos ecossistêmicos. Em circunstâncias específicas, como na maricultura, o descarte excessivo de conchas também causa sérios danos ambientais.

O cultivo de organismos marinhos, ou maricultura, é uma atividade amplamente praticada no Brasil. Nossos ricos litorais possibilitam o cultivo em larga escala em fazendas marinhas, importante para gerar rendas principais ou alternativas, assim como alimentação para a comunidade local.

O estado de Santa Catarina é um dos maiores produtores de ostras e mariscos do Brasil, responsável por 95% da produção nacional. Tamanha atividade gera uma grande quantidade de resíduos, que são descartados massivamente e de forma não natural na etapa de limpeza dos organismos para a venda ou posterior ao consumo, como as conchas.


Cultivo de ostras durante a maré baixa. Fonte: 1957725/Pixabay (CC0)


A consequência do descarte inadequado de toneladas de conchas nas praias é a eutrofização, que consiste no grande aporte de substâncias orgânicas nas águas. Esse excesso de cálcio despejado no ambiente não é absorvido de forma natural e causa o assoreamento, que é o acúmulo de sedimentos no ambiente marinho. Tamanhos impactos alteram profundamente a qualidade da água e prejudicam o funcionamento de todo o ecossistema.


ENTÃO, QUAL A MELHOR FORMA DE LEVAR RECORDAÇÕES DO AMBIENTE E PRESERVÁ-LO AO MESMO TEMPO?

Levando em conta a origem antrópica desses impactos, a educação ambiental torna-se uma das principais ferramentas para a conscientização da população e resolução de problemas ambientais. A troca de informações e a adoção de ações conscientes permitem que os seres humanos desenvolvam ideias e práticas para uma convivência harmônica e sustentável com o meio ambiente. Como, por exemplo, não retirar as conchas da praia ou destinar para a reciclagem os resíduos oriundos do cultivo de ostras, que serão utilizados na fabricação de ração animal, correção de acidez do solo e na indústria farmacêutica.

Pequenas ações geram grandes resultados. Apenas admirar o ambiente como ele é também é uma forma de preservá-lo! Afinal, as fotografias e vídeos têm o poder de eternizar momentos e também são lindas formas de lembranças.


Escute este artigo também pelo nosso Podcast. Clique aqui!

Bibliografia

BOCCHESE, Daniel Celestino Fornari. Eliminação de matéria orgânica de conchas de ostras por processo biológico. 2008. 25 f. TCC (Graduação) - Curso de Engenharia Sanitária e Ambiental, Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/124346. Acesso em: 20 jan. 2020.

CEREZINI, Monise T. et al. ESTÍMULOS QUÍMICOS LIBERADOS POR GASTRÓPODES RECÉM MORTOS AJUDAM OS ERMITÕES CLIBANARIUS VITTATUS (DECAPODA: ANOMURA) A ENCONTRAR NOVAS CONCHAS? 2009. Disponível em: http://ecologia.ib.usp.br/curso/2009/pdf/PO2/PO2_perfume_de_mulher.pdf. Acesso em: 14 jan. 2020.

CORREIA, Monica Dorigo; SOVIERZOSKI, Hilda Helena. Ecossistemas Marinhos: recifes, praias e manguezais. Alagoas: Edufal, 2005. 55 p.

DOMBROWSKY, Mayla Yasuoka. Caracterização de impactos do turismo em ambientes recifais em Taipu de Fora (BA) como subsídio para o desenvolvimento de atividades educativas e turismo sustentável. 2016. 57 f. Trabalho de conclusão de curso (Ecologia) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Instituto de Biociências (Campus de Rio Claro), 2016. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/155838. Acesso em: 15 jan. 2020.

DUESING, Bill. The calcium cycle. Curriculum units by fellows of the Yale-New Haven teachers institute: Skeletal Materials-Biomineralization, 7. Disponível em: <http://teachersinstitute.yale.edu/curriculum/units/1985/7/85.07.08.x.html>. Acesso em: 13 jan. 2020.

D`ÁVILA, Sthefane; RESENDE, Raquel. A cada um a sua concha. Revista Brasileira de Zoociências, Juiz de Fora, v. 17, n. 2, p.7-15, 20 dez. 2016. Disponível em http://periodicos.ufjf.br/index.php/zoociencias/article/download/24641/13814. Acesso em 12 jan. 2020

RITTER, Matias; ERTHAL, Fernando. Conchas na Praia. Ciência Hoje, Porto Alegre, v. 55, n. 327, p.33-35, jul. 2015. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/278727212_Conchas_na_praia_vestigios_valiosos_de_uma_historia_complexa. Acesso em: 13 jan. 2020.

ROSA, Rogério da Silva; MESSIAS, Rossine Amorim; AMBROZINI, Beatriz. Importância da compreensão dos ciclos biogeoquímicos para o desenvolvimento sustentável. 2003. 52 f. Monografia - Curso de Química, Instituto de Química de São Carlos - Usp, São Carlos, 2003. Disponível em: http://fernandosantiago.com.br/bgquitexto.pdf. Acesso em: 14 jan. 2020.


#concha #moluscos #carbonatodecálcio #impacto #BiologiaMarinha

Assine a lista exclusiva e receba novidades!

© 2020 Instituto de Biologia Marinha Bióicos