Poríferos: simples, mas nem tanto

Autores: Fernanda Cabral Jeronimo, Raphaela A. Duarte Silveira, Thais R. Semprebom, Aline Pereira e Douglas F. Peiró



A esponja Aplysina fistularis, conhecida como esponja-tubular-amarela, é comumente encontrada no litoral brasileiro. Fonte: Nick Hobgood/Wikimedia Commons (CC BY-SA 3.0).



O Filo Porifera é um dos mais antigos do Reino Animal, com registros fósseis de cerca de 600 milhões de anos, no período pré-cambriano. Os representantes desse filo são popularmente conhecidos como esponjas e são animais multicelulares, com organização corporal simples (sem tecidos especializados), bentônicos, sésseis e filtradores. O personagem de desenho Bob-esponja é justamente uma representação estilizada destes animais. Estão globalmente distribuídos em ambientes aquáticos (água doce, salgada e salobra), sendo que a maior parte deles vivem predominantemente no ambiente marinho, podendo ser encontrados em até 8.600 metros de profundidade.


Porífero significa dotado de poros, uma característica marcante das esponjas. As diversas aberturas presentes no seu corpo permitem a circulação de água, que carreia alimento e oxigênio para o seu interior e, que após o processamento, é expelida com metabólitos e excretas. Esse é um mecanismo muito vantajoso para um animal séssil, ou seja, que não se locomove, já que a filtragem é otimizada. O tamanho de uma esponja pode variar de milímetros até 2 metros de diâmetro, além de exibir uma variedade de formas e cores.


Atualmente são descritas mais de 8.500 espécies de esponjas, distribuídas em três classes: Hexactinellida, Calcarea e Demospongiae, sendo que a última representa 95% de todas as esponjas e é a única classe com representantes na água doce. Alguns autores consideram, ainda, uma quarta classe, a Homoscleromorpha, que era classificada como uma família dentro da classe Demospongiae. Além disso, as esponjas também podem estabelecer associações com outros animais, como caranguejos, moluscos e peixes, que podem conviver de forma harmônica ou parasitária, dentro ou sobre as esponjas.



Peixe cirurgião-chocolate (Acanthurus pyroferus) sobre a esponja-marrom (Spheciospongia vagabunda). Fonte: Bernard DUPONT/Wikimedia Commons (CC BY-SA 2.0).



FUNÇÃO CELULAR E ESTRUTURA CORPORAL


As esponjas são animais biologicamente simples. O agrupamento de células que compõem esses organismos demonstram certo grau de independência e são especializadas para as funções que designam. No entanto, não formam tecidos verdadeiros, órgãos internos nem mesmo sistema nervoso.


Sua estrutura corporal é organizada em três camadas. A camada mais externa é denominada pinacoderme, composta por células achatadas chamadas pinacócitos, que possuem a função de revestir a esponja e secretar um material que auxilia na sua fixação ao substrato. A segunda camada é denominada mesohilo ou mesogleia, uma substância gelatinosa composta por proteínas. Nesta camada estão localizados os esclerócitos, células responsáveis por secretar elementos esqueléticos chamados de espículas, responsáveis por estruturar as esponjas. As espículas podem ser de origem orgânica (fibra chamada espongina) ou inorgânica (carbonato de cálcio ou sílica). Além disso, o mesohilo também abriga células responsáveis pela reprodução, chamadas ovócitos, e células responsáveis pela regeneração e digestão, chamadas amebócitos.


Por último, a terceira camada é denominada de coanoderme, assim chamada por abrigar os coanócitos, células morfologicamente adaptadas para gerar correntes de água e captar partículas de nutrientes. A porção ovoide da célula é apoiada no mesohilo e a porção composta por um colarinho e um flagelo ficam expostas à cavidade interna da esponja. Dessa forma, o batimento do flagelo produz uma corrente de água e as partículas de nutrientes ficam retidas no colarinho, que se assemelha a uma peneira. Finalmente, os coanócitos fagocitam as partículas e as direcionam para os amebócitos, responsáveis por digeri-las.



Esquema demonstrando a organização celular de organismos do filo Porifera. A seta azul indica o fluxo de água. Fonte: modificada a partir de Xvazquez and Lilyu/Wikimedia Commons (CC0).



A morfologia geral das esponjas é semelhante a um barril, porém outros formatos também estão presentes. A comunicação com o meio externo se dá por pequenos poros, denominados óstios, que se ligam à cavidade no interior do organismo, chamada átrio ou espongiocele. A abertura no topo é denominada ósculo, por onde passa a água eliminada pelo animal. Além disso, existem três diferentes tipos de estruturas corpóreas internas, classificadas de acordo com a complexidade de seus canais hídricos, originados a partir do dobramento da parede corporal:

  • Ascon: estrutura simples e tubular, flagelos no átrio, sem presença de canais.

  • Sicon: aparecimento de canais flagelados.

  • Leucon: complexo canal hídrico, ramificado, com formação de câmaras flageladas.



Esquema representando diferentes estruturas corpóreas internas de esponjas. A porção amarela representa a pinacoderme, a cinza representa o mesohilo e a vermelha, a coanoderme. A seta azul indica o fluxo de água. Fonte: modificada a partir de Philcha/Wikimedia Commons (CC BY-SA 3.0).



REPRODUÇÃO


Os poríferos são hermafroditas e a sua reprodução pode ocorrer de forma sexuada ou assexuada. A reprodução sexuada ocorre a partir da liberação de gametas pelos indivíduos, que são fecundados e originam uma larva livre natante, que buscará um substrato adequado para fixação e desenvolvimento. A reprodução assexuada resulta na formação de um novo indivíduo a partir de brotamento (externo), gemulação (broto interno) e regeneração de fragmentos desprendidos.



IMPORTÂNCIA ECOLÓGICA E ECONÔMICA


Por formarem relações simbióticas com outros organismos, os impactos antrópicos sofridos pelas esponjas também afetam uma série de organismos que dependem delas para sobreviver. As esponjas fornecem abrigo, proteção, alimento e possibilidade de camuflagem para animais que frequentam os ambientes onde estão localizadas. Atividades como a pesca de arrasto de fundo e a presença de oleodutos comprometem a sobrevivência das esponjas, que desempenham papéis importantes no ambiente marinho.


Os poríferos incorporam toneladas de carbono do ambiente marinho e também participam da ciclagem do nitrogênio. Além de contribuir para a cimentação de recifes, as esponjas são bioindicadores de poluição, já que são sésseis, filtradores e sensíveis a alterações de parâmetros ambientais. Portanto, a presença desses animais no ambiente indica a boa qualidade da água.


No âmbito econômico, podem ser utilizadas como uma alternativa biodegradável à esponja de banho. Mas cuidado, nem todas as esponjas são apropriadas para isso, pois possuem as espículas (estruturas de sustentação podem espetar o corpo) e as que são apropriadas para isso não podem ser simplesmente retiradas do ambiente marinho (uma boa alternativa seria cultivá-las para esta finalidade específica - entretanto carece de estudos). Além disso, as esponjas produzem substâncias bioativas, como enzimas, que são extraídas e podem servir de componentes para medicamentos e até mesmo quimioterápicos, com destaque para o tratamento de câncer de mama. Ou seja, de simples as esponjas não têm nada!




Bibliografia


BELL, J. J. et al. The functional roles of marine sponges. Elsevier: Estuarine, Coastal and Shelf Science, Wellington, v. 79, n. 3, p. 341-353, 9 maio 2008.


BRUSCA, R. C. & BRUSCA, G. J. Invertebrados. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. 1012 p., p. 185 - 216. Acesso em: 16 dez. 2020


CUSTÓDIO, M. R & HAJDU, E. Checklist de Porifera do Estado de São Paulo, Brasil. Biota Neotropica, Campinas, v. 11, n. 1, p. 427-443, 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/bn/v11s1/a15v11s1.pdf. Acesso em: 17 nov. 2020.


GAZAVE, E. et al. “No Longer Demospongiae: Homoscleromorpha Formal Nomination as a Fourth Class of Porifera”. Ancient Animals, New Challenges, organizado por Manuel Maldonado et al., Springer Netherlands, 2011, p. 3–10. doi:10.1007/978-94-007-4688-6_2. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/s10750-011-0842-x. Acesso em: 16 dez. 2020.


GUERRA, D. F. A. Novos quimioterápicos obtidos a partir de organismos marinhos. 2015. 47 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Mestrado em Ciências Farmacêuticas, Universidade Fernando Pessoa, Porto, 2015. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/61020747.pdf. Acesso em: 16 nov. 2020.


LAURINDO, L. C. Contribuições taxonômicas e biologia da Família Spongillidae (Porífera). 2015. 110 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Pós-Graduação em Biologia Animal, Departamento de Zoologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2015. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17377. Acesso em: 16 nov. 2020.


PHAM, C. K. et al. Removal of deep-sea sponges by bottom trawling in the Flemish Cap area: conservation, ecology and economic assessment. Scientific Reports, [S.L.], v. 9, n. 1, p. 1-13, 1 nov. 2019. Springer Science and Business Media LLC. http://dx.doi.org/10.1038/s41598-019-52250-1. Disponível em: https://www.nature.com/articles/s41598-019-52250-1#citeas. Acesso em: 17 dez. 2020.


VAD, J. et al. Environmental controls and anthropogenic impacts on deep-sea sponge grounds in the Faroe-Shetland Channel, NE Atlantic: the importance of considering spatial scale to distinguish drivers of change. Ices Journal Of Marine Science, [S.L.], v. 77, n., p. 451-461, 19 out. 2019. Oxford University Press (OUP). http://dx.doi.org/10.1093/icesjms/fsz185. Disponível em: https://academic.oup.com/icesjms/article/77/1/451/5599858. Acesso em: 17 dez. 2020.

196 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Assine a lista e receba as novidades!

© 2020 Instituto de Biologia Marinha Bióicos