Resíduos farmacêuticos: mais uma ameaça aos oceanos

Autores: Aline Pereira Costa, Fernanda Cabral Jeronimo, Thais R. Semprebom, Mariana P. Haueisen e Douglas F. Peiró



Ilustração de uma cápsula de medicamento com duas cores, amarelo e azul. Na parte azul a cápsula representa a água do mar, com imagens de um ser humano sobre jet ski, dois tubarões, estrela do mar, caranguejo e alguns peixes menores.

A presença de resíduos farmacêuticos no ambiente marinho é uma ameaça aos oceanos, que prejudica não apenas os organismos marinhos, mas também o ser humano. Fonte: Piqsels (CC0).



Ouvimos muito sobre a degradação dos oceanos por diversos fatores, sendo a poluição por microplásticos um dos mais mencionados na atualidade. Porém, o que muitos ainda não têm conhecimento, é que nossos oceanos vêm sofrendo com uma outra forma de contaminação: a poluição por resíduos farmacêuticos.


O alto consumo de medicamentos por parte da população é algo preocupante, pois os resíduos gerados por estes fármacos poluem as águas, sejam de rios ou de mares. Esses resíduos são um sério problema, porque podem ser biologicamente ativos, significando que podem agir sobre toda a biodiversidade marinha. Além disso, a contaminação por esses resíduos pode afetar as cadeias alimentares, afetando até nós, seres humanos.



COMO OCORRE ESSA CONTAMINAÇÃO?


A população humana aumentou sua expectativa de vida ao usar medicamentos para tratar doenças. No entanto, o alto consumo desses fármacos é um fato preocupante. Além disso, muitas pessoas têm o hábito de se automedicar, comprar medicamentos sem prescrição médica ou além do necessário.


Inicialmente a contaminação ocorre com a eliminação desses fármacos na excreção e na evacuação. Quando consumimos um medicamento, ele não é totalmente absorvido pelo organismo, consequentemente, os resíduos (compostos farmacêuticos ativos) ou os seus metabólitos (compostos farmacêuticos transformados), que não são metabolizados pelo organismo, são eliminados na urina ou nas fezes. Dessa forma, os compostos que não foram absorvidos pelo organismo têm como destino o esgoto, assim como os medicamentos que não foram totalmente consumidos. Ou então, aqueles que passaram do prazo de validade, acabam sendo descartados de forma irregular no lixo ou em vasos sanitários.


A partir disso, no meio ambiente, o resíduo farmacêutico passa por rotas até chegar ao ecossistema marinho. Uma das principais rotas de contaminação são as águas residuais (conhecidas por esgotos). Porém, a biodegradação desses resíduos nas Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs) não é eficiente, consequentemente os resíduos presentes acabam sendo lançados nos oceanos. Um exemplo é a cidade costeira de Los Angeles, que lança suas águas residuais diretamente no ecossistema marinho.


Outra forma de contaminação marinha são as águas residuais provenientes de navios, barcos e cruzeiros marítimos, lançadas diretamente nos oceanos, muitas vezes sem tratamento.


A aquicultura e a criação de animais também são formas de contribuição da contaminação dos oceanos por resíduos farmacêuticos. O uso de antibióticos nessas práticas muitas vezes contaminam o solo e, consequentemente, o lençol freático, que levam esses contaminantes para o mar.



A imagem é um diagrama mostrando as fontes de contaminação marinha pelos resíduos farmacêuticos. Na parte de cima há um retângulo com a frase “resíduos farmacêuticos”, desse retângulo saem três setas: uma para o quadrado escrito “excreção”; a segunda para o quadrado escrito “descarte irregular” e a terceira seta para o quadrado escrito: “aquicultura/uso veterinário”. Do quadrado “excreção” sai uma seta para o “águas residuais (esgoto)”; do quadro “descarte irregular” saem duas setas, sendo um quadrado “lixo” e o outro “vaso sanitário” e do quadrado com “aquicultura/uso veterinário” também saem duas setas, uma para o quadrado “solo” e outra para quadrado “lençol freático”. A partir desses cinco quadrados as setas se encontram em um quadrado escrito “rio”. Por fim, uma das setas saí desse quadrado no sentido do quadrado escrito "oceanos". Uma observação é que o primeiro quadrado (resíduos farmacêuticos) e o último (oceanos) estão escritos na cor vermelha para chamar a atenção que esses resíduos tem como destino final os oceanos.

Diagrama das fontes de contaminação do ecossistema marinho por resíduos farmacêuticos. Fonte: elaborado por Aline Pereira com base na bibliografia.



CONSEQUÊNCIAS DA CONTAMINAÇÃO MARINHA


Apesar dos estudos da contaminação marinha por esses resíduos serem ainda muito escassos, os pesquisadores já conseguem estimar as consequências de contaminação da biota marinha. Estudos disponíveis mostram que as concentrações desses resíduos presentes no oceano são muito baixas, porém, a carga persistente de eliminação e sua bioacumulação no meio ambiente é o que torna o ecossistema marinho contaminado.


Um estudo em laboratório com caranguejos da espécie Hemigrapsus oregonensis mostrou que indivíduos que são ativos à noite, quando expostos a altas concentrações de fluoxetina (princípio ativo do medicamento Prozac, utilizado no estudo), apresentaram comportamentos de atividade durante o dia, além de um comportamento agressivo diante de seu predador (caranguejos da espécie Cancer productus) e até mesmo intraespecificamente (entre indivíduos da mesma espécie). A consequência dessa alteração no comportamento pode levar ao aumento da predação e mortalidade de H. oregonensis, visto que os indivíduos ficam mais vulneráveis ao predador.



Montagem com quatro fotos. A foto de fundo é uma imagem de areia escura (preta). As demais fotos estão sobre esta. Na foto (a) se pode observar um caranguejo de cor acinzentada se camuflando sobre areia clara, próximo ao caranguejo há um buraco que provavelmente é sua toca. A foto (b), é um caranguejo com coloração dorsal avermelhada e dorso aparentemente amarelado. É possível observar bem suas pinças e ele parece estar sob à água do mar, próximo a um coral. A foto (c) é um blister de medicamento Prozac, também conhecido por fluoxetina.

Espécies estudadas e resíduo farmacêutico utilizado nos experimentos. (A) Caranguejo Hemigrapsus oregonensis, espécie estudada. (B) Caranguejo Cancer productus, predador de H. oregonensis. (C) Medicamento contendo fluoxetina, fármaco relacionado à alteração no comportamento de H. oregonensis. Fonte: elaborado por Aline Pereira com base no estudo de Peters e colaboradores. Foto (A) Jerry Kirkhart/Wikimedia Commons (CC BY 2.0); (B) Kirt L. Onthank/Wikipedia (CC BY-SA 3.0) e (C) Maksim/Wikimedia Commons (CC BY SA-3.0).



Resíduos de antibióticos também são muito encontrados no ambiente marinho, causando grande preocupação. Foi demonstrado que este tipo de resíduo tem afetado o crescimento das algas. A exposição à tilosina (antibiótico utilizado em medicina veterinária) resultou na redução da biomassa da comunidade de microalgas bentônicas, além da sua produtividade primária. A exposição retardou o crescimento de diatomáceas e exerceu baixo efeito na biomassa de cianobactérias. Além disso, concentrações de resíduos de antibióticos podem desenvolver populações de bactérias resistentes presentes nos sedimentos marinhos.


A contaminação marinha por resíduos farmacêuticos que atuam no sistema endócrino (hormônios), como o caso dos contraceptivos e estrogênios, é outra grande preocupação. Esses resíduos estão relacionados ao desenvolvimento de anormalidades no sistema reprodutivo de alguns organismos, induzindo algumas espécies ao hermafroditismo ou à feminilização completa. Fato observado em indivíduos de peixes Oryzias latipes, que quando expostos ao estrogênio 17 β-estradiol (hormônio sexual feminino e esteróide), induziram a feminilização dos machos.



A imagem é a foto de um minúsculo peixe da espécie Oryzias latipes. A foto aparenta ter sido feita de um aquário, pois o fundo está bem desfocado. Na foto, o peixe está lateralizado e parece ter aproximadamente 12cm, sua coloração é um dourado claro para cinza brilhante. Se pode observar os olhos com uma coloração preto no centro e, envolta, um verde brilhante.

Oryzias latipes é uma espécie que habita águas de planície e salobras e pode ser encontrada em poças de marés em regiões costeiras do Japão e da Coréia. Fonte: Seotaro/ Wikimedia Commons (CC BY-SA 3.0).



Além disso, animais marinhos de níveis tróficos mais altos, como tubarões, golfinhos e baleias, também têm apresentado concentrações de resíduos farmacêuticos em seus organismos. Isto significa que a cadeia alimentar marinha está sendo diretamente afetada pela bioacumulação desses resíduos ou pode estar indiretamente perdendo espécies-chave. O fato é que não são apenas os organismos marinhos que sofrem com a contaminação por resíduos farmacêuticos, mas a saúde humana também está em risco, já que consumimos muitas espécies marinhas e essa ingestão prolongada também pode ocasionar alterações em nosso organismo.



O QUE FAZER PARA DIMINUIR A CONTAMINAÇÃO POR RESÍDUOS FARMACÊUTICOS?


Diante do aumento da população, principalmente em áreas costeiras, a tendência é um aumento do descarte irregular desses resíduos. Assim, é necessário o uso de medidas mitigadoras com o intuito de diminuir a farmacopoluição dos oceanos como a logística reversa como forma de amenizar os impactos da poluição ambiental por resíduos farmacêuticos, assim reduzindo o descarte irregular desses medicamentos, que receberiam um destino adequado, como a incineração, como propõem alguns pesquisadores. Atualmente já existem pontos de coleta, nos quais podemos descartar conscientemente esses medicamentos. Ademais, precisamos ser conscientes e fazermos nossa parte, com o uso racional de medicamentos, não adquirindo além do necessário e com prescrição médica. O fato de ainda estarmos caminhando neste campo de pesquisa faz com que mais estudos sejam necessários para um melhor monitoramento da concentração desses resíduos no ecossistema marinho.




Bibliografia


GAW, S. et al. Sources, impacts and trends of pharmaceuticals in the marine and coastal environment. Philosophical Transactions of the Royal Society B, v. 369, 2014. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4213585/. Acesso em 07 jun. 2020.


HAUEISEN, M. P. et al. Se os oceanos morrem, nós morremos: qual o ritmo de mudanças no oceano devido o acúmulo de impactos? Revista de Biologia Marinha Bióicos, v. 3, n. 1, 2019. Disponível em: https://www.bioicos.com.br/post/2019/10/15/se-os-oceanos-morrem-nos-morremos-qual-o-ritmo-de-mudancas-no-oceano-resultantes-do-acumu. Acesso em: 09 jun. 2020.


HOPPE, T. R. G. & ARAÚJO, L. E. B. Contaminação do meio ambiente pelo descarte inadequado de medicamentos vencidos ou não utilizados. Monografias Ambientais REMOA/UFSM, v. 6, n. 6, p. 1248-1262, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/remoa/article/view/4627. Acesso em: 13 jun. 2020.


LOVETT, R. A. Drugs and plastics threatening ocean and human health. Cosmos Magazine. 2018. Disponível em: https://cosmosmagazine.com/geoscience/drugs-and-plastics-threatening-ocean-and-human-health. Acesso em 03 jun. 2020.


MAIA, B. D. & DEZOTTI, M. Fármacos no meio ambiente. Química Nova, v. 26, n. 4, p. 523-530, 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-40422003000400015. Acesso em: 10 jun. 2020.


OJEMAYE, C. Y. & PETRIK, L. Pharmaceuticals in the marine environment: A review. Environmental Reviews, v. 27, n. 2, 2018. Disponível em: https://www.nrcresearchpress.com/doi/abs/10.1139/er-2018-0054#.XwpR8ChKjIX. Acesso em: 07 jun. 2020.


PEREIRA, A. L. et al. Pharmacopollution and Household Waste Medicine (HWM): how reverse logistics is environmentally important to Brazil. Environmental Science and Pollution Research, v. 24, n. 31, p. 24061-24075, 2017.


PETERS, J. R. et al. Prozac in the water: Chronic fluoxetine exposure and predation risk interact to shape behaviors in an estuarine crab. Ecology and Evolution, v. 7, ed. 21, p. 9151-9161, 2017. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1002/ece3.3453. Acesso em: 06 jun. 2020.


PINCKNEY, J. L. et al. Sublethal effects of the antibiotic tylosin on estuarine benthic microalgal communities. Marine Pollution Bulletin, [s. l.], v. 68, p. 8-12, 2013.


WU, R. S. S. The Environmental Impact of Marine Fish Culture: Towards a Sustainable Future. Marine Pollution Bulletin, v. 31, p. 159-166, 1995.


112 visualizações0 comentário

Assine a lista e receba as novidades!

Obrigado pelo envio! Verifique seu e-mail e marque-nos como contato seguro!