Deu bandeira vermelha e não deu praia: o lançamento de esgoto nos oceanos

Você já reparou que algumas praias no litoral brasileiro possuem bandeiras vermelhas ou verdes indicando sua balneabilidade? Leia o artigo e informe-se  como  o despejo do esgoto no mar pode trazer importantes problemas para a saúde pública e para o ambiente marinho. 

 

A imagem mostra o oceano através de uma tubulação de esgoto. Fonte: Free-Photos/Pixabay (Domínio Público).

 

 

O despejo de esgotos sanitários no mar é um dos tipos de poluição aquática mais comuns em ambientes costeiros. Provenientes da água utilizada em residências, unidades comerciais e industriais, o esgoto sanitário é composto por aproximadamente 90% de água, acrescido de nutrientes (carbono orgânico total; séries nitrogenadas, principalmente na forma de amônia; fósforo, principalmente provenientes do uso de detergentes; entre outros), sólidos totais e diversos contaminantes como metais, hidrocarbonetos, pesticidas e outras substâncias potencialmente tóxicas. Além disso, o esgoto normalmente contém uma grande quantidade de microrganismos patógenos e não patógenos, como bactérias, vírus e fungos.

 

 

IMPACTOS AMBIENTAIS E SOCIOECONÔMICOS
 
Os compostos presentes no esgoto podem afetar de forma direta ou indireta o meio ambiente, gerando problemas ecológicos e sanitários para regiões costeiras. Dentre os possíveis impactos que estes componentes podem causar no ambiente marinho, vale ressaltar o enriquecimento das águas por nutrientes, principalmente o nitrogênio e fósforo, o que pode resultar num processo chamado de eutrofização. Este processo é caracterizado pelo crescimento excessivo de microalgas devido à maior disponibilidade de um ou mais fatores limitantes do crescimento fundamentais para a fotossíntese, como luz e nutrientes. 
 

Dentre os problemas que a eutrofização pode causar podemos citar um fenômeno denominado "maré vermelha". Esse termo popular surgiu devido à coloração avermelhada que a floração de certas microalgas produz na água. Esse fenômeno pode trazer sérias consequências, como em 2016 no Chile, onde este fenômeno provocou a morte de milhares de animais de diferentes espécies marinhas, tendo reflexo em diversos setores, principalmente nos setores pesqueiros e aquícolas. Outro exemplo ocorreu em 2007 na baía de Todos os Santos (BA), onde a floração da microalga Gymnodinium sanguineum resultou na morte de 50 toneladas de peixes e mariscos, fazendo com que a pesca fosse proibida até que o meio voltasse para condições adequadas, ou seja, que não oferecesse mais risco para a população.

 

 

A imagem à esquerda retrata o fenômeno maré vermelha que ocorreu em La Jolla, Califórnia (EUA), em 2005.  A imagem à direita mostra a mortalidade de peixes devido a um episódio de maré vermelha no Golfo do México. Fonte: adaptado de Alejandro Díaz/ Wikimedia Commons (CC). Judy Baxter/Flickr (CC BY-NC-SA 2.0), respectivamente.

 

 

Outro impacto gerado pelo lançamento de efluentes é a contaminação microbiológica, principalmente de origem fecal, que traz consequentes riscos para a saúde pública. Estes microrganismos podem acarretar uma série de doenças no ser humano como hepatite, disenterias, cólera e dermatoses. 

 

 

COMO MINIMIZAR O IMPACTO?

 

Existem diversos outros impactos que o despejo do esgoto no mar pode gerar e todos eles levam à inviabilização de alguns usos dessas águas como a utilização por banhistas, atividades pesqueiras, entre outros, afetando também a preservação do equilíbrio ecológico nas regiões costeiras. A melhor solução para todos esses problemas é o investimento em saneamento básico, ou seja, tratamento adequado dos esgotos gerados pelos municípios costeiros. 
 

Uma alternativa que tem sido adotada para disposição dos esgotos sanitários é a utilização de emissários submarinos, que são, basicamente, tubulações assentadas no fundo marinho, que transportam esses efluentes e lançam todo o esgoto em alto mar. O objetivo é descarregar os esgotos a uma distância considerável das praias, de forma que a movimentação da água auxilie na dispersão e não altere as condições das águas costeiras. O esgoto transportado por esses emissários, preferencialmente, deve passar por tratamento antes de ser lançado no mar. Entretanto, esta não é uma prática realizada por todos emissários municipais, o que pode gerar grandes prejuízos ao ambiente marinho, apesar de trazer benefícios para a qualidade das praias.


 

Emissário submarino. Na imagem é possível observar as tubulações assentadas no fundo marinho, que transportam os efluentes e lançam todo o esgoto em alto mar. Fonte: David/Flickr (CC BY-NC-SA 2.0).

 

 

Outra alternativa utilizada pelos órgãos públicos para proteger a saúde da população é a avaliação periódica da qualidade de certas praias (principalmente as mais frequentadas) para verificar sua balneabilidade, ou seja, se está própria ou não para o uso dos banhistas. Estas avaliações são realizadas de acordo com a resolução CONAMA nº 274/2000, onde é regulamentada a concentração aceitável de microrganismos indicadores de contaminação fecal, a fim de não oferecer risco para as pessoas. 
 

A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB) possui um programa de monitoramento das praias do litoral paulista, que se iniciou na década de 1970 e, atualmente, avalia a balneabilidade em 174 pontos. Sete deles se localizam no Parque Estadual da Ilha Anchieta e os demais se distribuem em 150 praias das cerca de 300 existentes ao longo da costa paulista. O resultado das análises é publicado semanalmente em um boletim, o qual é divulgado para a imprensa e para diversos órgãos e entidades. Além disso, as bandeiras vermelhas e verdes, que indicam se a praia é imprópria ou própria, respectivamente, são atualizadas semanalmente, a partir da emissão do boletim. Verifique a balneabilidade da praia que você deseja clicando aqui.

 

Bandeira de balneabilidade. A imagem mostra a bandeira verde na praia do Itaguá, Ubatuba, São Paulo, indicando que a praia estava própria para banhista na semana do registro. Foto: Yonara Garcia ©.

 

 

Em janeiro de 2019, a partir das análises da CETESB, 30 das 97 praias do litoral norte de São Paulo estavam impróprias para os banhistas. Isso ocorre, principalmente, pelo número elevado de turistas que visitam o litoral nesta época do ano, refletindo no aumento do despejo do esgoto lançado ao mar. 

 

Para que haja uma mudança nesse quadro, é necessário dar uma maior importância ao despejo do esgoto no mar. Essa prática pode trazer sérias consequências a longo prazo, principalmente o efluente que é lançado sem nenhum tratamento prévio. É de extrema importância que haja sistemas de tratamento de todo o esgoto antes de seu lançamento em alto mar. Além disso, estas regiões devem estar sob monitoramento e estudo contínuos, a fim de assegurar a manutenção da qualidade da água, bem como minimizar os efeitos da poluição e, assim, garantir a conservação do ambiente marinho. 
 

E você, que medidas individuais você acha que podem ser feitas para diminuir a poluição das águas costeiras? Deixe seu comentário!

 

 

Bibliografia

 

DE SOUZA ABESSA, Denis Moledo et al. Efeitos ambientais da disposição oceânica de esgotos por meio de emissários submarinos: uma revisão. Mundo da Saúde, p. 643-661, 2012.

 

FEITOSA, Renato Castiglia. Ocean outfalls as an alternative to minimizing risks to human and environmental health. Ciência & saúde coletiva, v. 22, n. 6, p. 2037-2048, 2017.

 

LAMPARELLI, Claudia Condé. Desafios para o Licenciamento e Monitoramento Ambiental de Emissários: a Experiência de São Paulo. In: LAMPARELLI, Claudia Condé; ORTIZ, Jayme Pinto. Emissários Submarinos: Projeto, Avaliação de Impacto Ambiental e Monitoramento. São Paulo: Centro de Editoração da Secretaria do Meio Ambiente, 2007. p. 11-24.

 

ORTIZ, Jayme Pinto; YANES, Jacqueline Pedrera; NETO, Antonio Braulio. Wastewater Marine Disposal through Outfalls on the coast of São Paulo State–Brazil: An overview. Revista DAE, v. 64, n. 204, p. 29-46, 2016.

 

ROTH, Florian et al. Impacts of a high-discharge submarine sewage outfall on water quality in the coastal zone of Salvador (Bahia, Brazil). Marine Pollution Bulletin, v. 106, n. 1-2, p. 43-48, 2016.

 

SUBTIL, Eduardo Lucas. Tratamento de águas residuárias utilizando emissários submarinos: avaliação do tipo de tratamento para uma disposição oceânica ambientalmente segura. 2012. 218f. Tese (Doutorado) - Curso de Engenharia Hidráulica e Ambiental, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: <https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/3/3147/tde-12062013-170031/publico/Tese_Subtil_EduardoLucas.pdf>. Acesso em: 28 jan. 2019.

Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter
Please reload

Seja um apoiador da revista!

 

Para continuarmos nosso trabalho, estamos lançando uma campanha de financiamento coletivo na plataforma Catarse.

 

VOCÊ PODE SER UM APOIADOR PATROCINADOR desta missão sendo assinante mensal!

Acesse o link e apoie essa ideia! ✅✅✅

Revista Biologia Marinha: um oceano de conhecimento! ✅🌊

Receba os artigos gratuitamente!

© 2019 por Projeto Biologia Marinha Bióicos