Baleias-de-bryde através das lentes fotográficas: A identidade de cada animal

1 Oct 2019

 

As fotografias são as peças de um quebra-cabeça científico que combinadas contam uma história de vida. Guilherme Maricato e Liliane Lodi fotografando uma baleia-bryde nas proximidades da Ilha Rasa, Rio de Janeiro. Fonte: Bia Hetzel/Projeto Baleias & Golfinhos do Rio de Janeiro ©.

 
FOTOIDENTIFICAÇÃO


Em 1975, cientistas da América do Norte reuniram-se durante o Simpósio Nacional de Baleias na Universidade de Indiana, em Bloomington, nos Estados Unidos. O “burburinho” do simpósio era a fotoidentificação ou foto-ID, uma nova técnica que os pesquisadores estavam desenvolvendo para estudar os cetáceos individualmente. Este simpósio abriu a porta para um melhor entendimento sobre a vida secreta das baleias.


A identificação individual é uma técnica importante para estudos de comportamento, ecologia e biologia populacional. Os pesquisadores que trabalham com cetáceos podem escolher entre uma ampla variedade de ferramentas, dependendo das questões abordadas, considerações logísticas, segurança animal e humana, habitat e características das espécies.


Para identificar com precisão os indivíduos, a técnica de fotoidentificação é uma ferramenta vital e não invasiva que utiliza as marcas naturais nos cetáceos. Estas marcas estão presentes nas nadadeiras dorsal e caudal, cabeça e lateral do corpo, dependendo da espécie em questão. 


Os estudos de identificação com fotografias requerem muitas horas de pesquisas intensivas em campo e horas ainda mais longas do processamento subsequente e trabalhoso do material fotográfico. Graças aos recentes avanços na fotografia digital, imagens digitais de alta qualidade podem ser obtidas em um curto espaço de tempo e os dados de identificação com foto podem ser processados com a ajuda de softwares que auxiliam o processamento, armazenamento e gerenciamento de imagens digitais.


Após o simpósio na Universidade de Indiana, cientistas passaram a reunir as histórias sobre as sociedades dos cetáceos, literalmente, por meio de fotografia por fotografia. Atualmente existem catálogos fotográficos e documentos para centenas de populações de baleias e golfinhos em todo o mundo.
 


AS BALEIAS-DE-BRYDE


A baleia-de-bryde possui uma distribuição circunglobal nos oceanos Atlântico, Índico e Pacífico, nas zonas tropicais e subtropicais. Estas baleias são quase um enigma para os pesquisadores de cetáceos. Com poucas informações disponíveis, os estudiosos têm diferentes teorias sobre sua classificação. A Comissão Internacional Baleeira (CIB, 2019) e a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN, Versão 2019-2) consideram a baleia-de-bryde como uma única espécie, Balaenoptera edeni. Pastene e colaboradores (2015) sugerem que as baleias do Peru, Chile e Brasil pertencem à espécie B. brydei com base em análises genéticas.


No Brasil, é encontrada em áreas costeiras e oceânicas. Existem registros para a espécie desde o Rio Grande do Sul até o Pará. É principalmente avistada na região Sudeste (Rio de Janeiro e São Paulo) em áreas próximas à costa, em especial na primavera, verão e outono, pois não é uma espécie migratória como as outras baleias.

 

Seu estado de conservação está classificado na categoria “Menor Preocupação” de acordo com a Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, versão 2019.2).

 

 
O RECONHECIMENTO DE DIFERENTES BALEIAS-DE-BRYDE ATRAVÉS DA FOTOIDENTIFICAÇÃO


Os cortes e as cicatrizes da nadadeira dorsal das baleias-de-bryde têm características únicas. Nenhuma baleia é igual a outra. Estas marcas assemelham-se às nossas “impressões digitais” ou a um “código de barras”.


As fotografias são ordenadas de acordo com sua classificação de qualidade na escala de 1 a 5 (pobre a excelente). Após uma seleção cuidadosa, a melhor fotografia de cada indivíduo (aquela em que a nadadeira dorsal aparece por completo, com melhor foco e perpendicular à câmera) é selecionada para compor o catálogo e recebe um código.  À medida que o indivíduo catalogado é reavistado, novas informações são acrescentadas ao banco de dados formando uma “biografia” do animal.


O compartilhamento de fotografias de baleias-de-bryde fotoidentificadas é fundamental para o conhecimento e divulgação das avistagens e reavistagens de um mesmo indivíduo em datas e locais diferentes.

 

 

 

Baleia-de-bryde fotoidentificada pelas marcas na nadadeira dorsal em dezembro de 2012 em Copacabana (foto de cima) e reavistada na Ilha Rasa em fevereiro de 2014 (foto de baixo), Rio de Janeiro. Fonte: Liliane Lodi/Projeto Baleias & Golfinhos do Rio de Janeiro ©.

 

 

Apesar da técnica parecer ser simples, os cetáceos passam a maior parte do tempo submersos e aparecem na superfície apenas por alguns instantes.  É neste breve momento, quando das baleias-de-bryde veem à tona para respirar, que a nadadeira dorsal se torna visível acima da superfície da água e então é possível fotografá-la. Somado a estas dificuldades é preciso levar em consideração o comportamento arisco e evasivo das baleias-de-bryde.

 

 
BRYDES DO BRASIL


Devido ao conhecimento incipiente da espécie no Brasil, foi criado o website Brydes do Brasil, uma plataforma virtual (disponível também nos formatos celular e tablet). Trata-se de uma iniciativa voluntária de pesquisadores do Projeto Baleias & Golfinhos do Rio de Janeiro interessada em reunir o maior número possível de registros de baleias-de-bryde fotoidentificadas.  

 

 

OBJETIVOS

  • Mobilizar e envolver a sociedade na pesquisa científica participativa.

  • Elaborar uma base de dados de baleias-de-bryde fotoidentificadas em águas jurisdicionais brasileiras, por meio de um acervo fotográfico concentrado.

  • Identificar, comparar e quantificar novas ocorrências das baleias-de-bryde identificadas em uma mesma área.

  • Determinar os deslocamentos da baleia-de-bryde na costa brasileira e áreas chave para a conservação da espécie.

  • Conscientizar sobre a necessidade da conservação das baleias-de-bryde e do uso sustentável de nosso litoral como seu habitat.

 


AÇÕES

  • Manutenção de um banco de dados de avistagens e reavistagens a partir de fotografias encaminhadas por vários segmentos da sociedade para iniciativas de conservação da espécie.

  • Ampliação o conhecimento sobre as baleias-de-bryde na região Sudeste (Rio de Janeiro e São Paulo) na primavera, verão e outono além de estender esse estudo para outras áreas de ocorrência.

  • Participação ativamente na formulação de políticas públicas de conservação e proteção de áreas marinhas, em especial as que possam ajudar na conservação da baleia-de-bryde no Brasil e no mundo. 

 

O sucesso do uso da ferramenta depende do acréscimo de dados ao longo dos anos e da cooperação entre pesquisadores, por meio da troca de catálogos entre diferentes instituições de pesquisa.


Participe você também! Ao avistar uma baleia-de-bryde, fotografe principalmente sua nadadeira dorsal e envie para o website.


Maiores informações e dicas de fotografias podem ser obtidas no website:
 
 

Brydes do Brasil: http://www.brydesdobrasil.com.br
Contato: contato@brydesdobrasil.com.br
Avistagem: avistamento@brydesdobrasil.com.br
 

 

 

Bibliografia
 
FIGUEIREDO, L.D.; TARDIN, R.H.; LODI, L.; MACIEL, I.S.; ALVES, M.A.S.; SIMÃO, S.M. Site fidelity of bryde’s whales (Balaenoptera edeni) in Cabo Frio region, southeastern Brazil, through photoidentification technique. Brazilian Journal of Aquatic Science and Technology, v. 18, n. 2, p.59-64, 2014. 
 
IUCN. Disponível em <https://www.iucnredlist.org/species/2476/50349178>. Accesso em: 05 set.2019.


LODI, L.; BOROBIA B. Baleias, botos e golfinhos do Brasil: Guia de identificação. Rio de Janeiro: Editora Technical Books, 2013.


LODI, L; MARICATO, G. Brydes do Brasil: Rede Nacional de Baleias-de-Bryde Foto-Identificadas. Resumos. XII Congreso de la Sociedad Latinoamericana de Especialistas em Mamíferos Acuáticos - RT 18. 05-08 novembro, 2018. Lima, Peru. Sociedade Latinoamericana de Especialistas em Mamíferos Acuáticos, Centro para a Sustentabilidad Ambiental, Universidad Peruana Cayetano Heredia (Organização). p. 192.


LODI, L.; TARDIN, R.H.; HETZEL, B.; MACIEL, I.S.; FIGUEIREDO, L.D; SIMÃO, S.M. Bryde´s whale (Cetartiodactyla: Balaenopteridae) occurrence and movements in coastal areas of southeastern Brazil. Zoologia, v. 32, n. 2, p.171-175, 2015. http://dx.doi.org/10.1590/S1984-46702015000200009
 
PASTENE, L.A.; ACEVEDO, J.; SICILIANO, S.; SHOLL, T.C.G.; MOURA, J.F.; OTT, P.H.; AGUAYO-LOBO, A. Population genetic structure of the South American Bryde's whale. Revista de Biología Marina y Oceanografía, v. 50, n.3, p.453-464, 2015.
https://scielo.conicyt.cl/pdf/revbiolmar/v50n3/art05.pdf
 

Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter
Please reload

Seja um apoiador da revista!

 

Para continuarmos nosso trabalho, estamos lançando uma campanha de financiamento coletivo na plataforma Catarse.

 

VOCÊ PODE SER UM APOIADOR PATROCINADOR desta missão sendo assinante mensal!

Acesse o link e apoie essa ideia! ✅✅✅

Revista Biologia Marinha: um oceano de conhecimento! ✅🌊

Receba os artigos gratuitamente!

© 2019 por Projeto Biologia Marinha Bióicos