Baleia à vista – Baleias do Brasil

Baleia-azul (Balaenoptera musculus) nadando. Fonte: NOAA/Good Free Photos (Domínio Público)

 

 

Algumas espécies de baleias são os maiores animais do planeta, pesando dezenas, ou até centenas de toneladas. É o caso da baleia-azul (Balaenoptera musculus), que pode chegar a 150 toneladas e 33 metros de comprimento, sendo o maior animal que existe, ou já existiu, na Terra.
 

Assim como os golfinhos, as baleias são mamíferos marinhos pertencentes à ordem dos cetáceos (ordem Cetacea), que são os mamíferos mais bem adaptados à vida no meio aquático, tendo uma estrutura corporal totalmente especializada a este ambiente, com representantes em todos os oceanos.

 

Seu corpo é longo e hidrodinâmico, seus membros foram adaptados a nadadeiras e seu orifício respiratório está localizado na parte superior da cabeça, o que facilita que subam para respirar sem tirar o corpo da água, pois, assim como todos os mamíferos, os golfinhos e baleias também precisam respirar ar atmosférico.

 

 

Orca (Orcinus orca) na Noruega. Ao contrário do que muitos pensam, a orca é mais próxima dos golfinhos (Odontoceti: Família Delphinidae) do que das baleias com barbatanas (Mysticeti). Fonte: gentilmente cedida por Cristian Dimitrius, 2017 ©.

 

 

Os cetáceos são divididos em duas subordens: Odontoceti, que reúne os golfinhos e baleias com dentes, como a orca e a cachalote, e Mysticeti, que reúne as baleias verdadeiras, que não possuem dentes, mas sim barbatanas, como a própria baleia-azul e a baleia-jubarte. Os misticetos, apesar de seu grande tamanho, se alimentam de pequenos animais, como o plâncton e o krill.
 

As baleias são animais migratórios, capazes de nadar por milhares de quilômetros entre suas áreas de alimentação e de reprodução. Algumas espécies, inclusive, podem ser encontradas aqui no Brasil, em determinada época do ano.

 

 

BALEIA-JUBARTE (Megaptera novaeangliae

 

Baleias-jubarte (Megaptera novaeangliae) nadando em Tonga. Fonte: gentilmente cedida por Cristian Dimitrius, 2018 ©.

 

 

A baleia-jubarte pode chegar a medir 16 metros de comprimento e pesar até 40 toneladas. Sua coloração é escura, com a região ventral completamente branca ou com algumas manchas. As nadadeiras peitorais são longas, medindo cerca de 1/3 do comprimento total do corpo. A nadadeira dorsal é pequena, baixa e localizada após a metade do dorso.
 

Passam o verão se alimentando nas águas geladas da Antártica e migram no inverno, por volta de junho e julho, para águas tropicais, para acasalar e dar à luz seus filhotes. Muitas vêm parar no litoral brasileiro, mais especificamente na costa nordeste do país, permanecendo aqui até os meses de novembro e dezembro, quando retornam à sua área de alimentação, na Antártica. Podem ser avistadas em grupos ou apenas a mãe com o filhote.
 

O Parque Nacional Marinho de Abrolhos, no litoral da Bahia, é o maior berço reprodutivo das jubartes no Oceano Atlântico Sul ocidental. Anualmente, cerca de 20 mil indivíduos podem ser encontrados no litoral baiano.
 

Devido ao Brasil ser uma importante zona reprodutiva e à pressão que as baleias sofreram até o século passado por conta da caça, em 1988 foi criado o Projeto Baleia Jubarte, sediado na Bahia e com o objetivo de estudar e proteger a espécie. A proibição da caça, os trabalhos do Projeto Baleia Jubarte e de outros projetos de conservação fizeram com que houvesse um aumento da população desses animais no litoral do país tirando, em 2014, a espécie da lista de espécies ameaçadas de extinção. Foi uma grande conquista para a conservação marinha no Brasil.
 

Os milhares de indivíduos que visitam o litoral nordestino atraem muitos turistas que querem ver de perto esses gigantes do oceano. Por conta disso, hoje é comum na região a prática do turismo embarcado de observação de baleias (whale watching), que movimenta a economia local, gerando empregos, trazendo muitos benefícios para a comunidade e ajudando a sensibilizar a população por meio da educação ambiental, ferramenta indispensável para a conservação ambiental. 

 

 

BALEIA-FRANCA (Eubalaena australis)

 

Baleia-franca (Eubalaena australis) nadando. Fonte: Oregon State University/Flickr (CC BY-SA 2.0)

 

 

A baleia-franca pode chegar a medir 17 metros e pesar em média 50 toneladas, podendo chegar a 100 toneladas. À distância, vista da superfície, pode ser confundida com a jubarte, tendo como principais diferenças a ausência de uma nadadeira dorsal e a presença de calosidades na cabeça, típicas dessa espécie.

 

 

Calosidades da baleia-franca (Eubalaena australis). Fonte: Adtormena/Wikimedia Commons (CC BY-SA 4.0).

 

 

Assim como a jubarte, a baleia-franca também tem a Antártica como área de alimentação no verão, migrando para o Brasil no inverno para se reproduzir. A diferença é que enquanto as jubartes se concentram no nordeste do país, as francas permanecem principalmente na região sul, mais especificamente no litoral de Santa Catarina.
 

A baleia-franca, diferente de outras baleias, possui hábitos costeiros, permanecendo próxima à costa, em águas rasas e abrigadas, que fornecem proteção e facilitam na criação de seus filhotes durante os primeiros meses de vida.
 

Quando a caça era liberada, a baleia-franca era um alvo fácil, devido ao hábito de ficar boiando próximo à costa e ao seu grande tamanho e corpo massivo, que a tornam lenta, facilitando o trabalho dos caçadores. Por isso, ela foi apelidada de “Right Whale”, ou “baleia certa”, que significa que era a baleia certa para matar. A pressão da caça foi tão grande que a espécie chegou a ser considerada extinta no Brasil.
 

Com a criação do Projeto Baleia Franca, em 1982, e a proibição da caça, em 1987, as baleias-francas voltaram a aparecer em águas brasileiras, e sua população começou a se recuperar lentamente, ainda estando ameaçada de extinção. Cerca de 100 a 120 baleias-francas visitam a Área de Proteção Ambiental (APA) da Baleia Franca, em Santa Catarina, anualmente.
 

O turismo de observação de baleias, na região, só é permitido por terra, garantindo que as mães e seus filhotes não sejam perturbados por embarcações e deixem a área. O que não é um problema, pois devido a seus hábitos costeiros, elas são facilmente avistadas da praia.

 

 

Baleia-de-bryde (Balaenoptera edeni) com a cabeça para fora d’água. Fonte: Zejulio/Wikimedia Commons (CC BY-SA 4.0).

 

 

Apesar da franca e da jubarte serem as mais conhecidas, outras espécies de baleias visitam a nossa costa, como a baleia-de-bryde (Balaenoptera edeni), a baleia-minke (Balaenoptera acutorostrata e a B. bonaerensis), a baleia-fin (Balaenoptera physalus), a baleia-sei (Balaenoptera borealis) e a baleia-azul (Balaenoptera musculus). Porém, não há muitos estudos sobre estas últimas espécies no nosso litoral, com poucas informações disponíveis.

 

As baleias são animais muito importantes para o equilíbrio ecológico e são espécies bandeira, que motivam as pessoas a proteger o ambiente marinho. Por isso, novos estudos sobre as outras espécies que ocorrem no Brasil são de suma importância, pois podem trazer novas informações sobre suas populações, distribuição e áreas de reprodução, o que pode incentivar e acarretar na criação de novas áreas de conservação marinhas, que irão proteger essas espécies e todas as que compartilham o mesmo ecossistema.


 

Bibliografia

 

AUSTRALIS, Instituto. A baleia. Disponível em: <http://baleiafranca.org.br/>. Acesso em: 11 out. 2018.
 

AUSTRALIS, Instituto. O projeto. Disponível em: <http://baleiafranca.org.br/>. Acesso em: 11 out. 2018.
 

AUSTRALIS, Instituto. Turismo de observação. Disponível em: <http://baleiafranca.org.br/protecao/turismo-de-observacao/>. Acesso em: 11 out. 2018.
 

CARVALHO, E. Brasil retira baleia-jubarte da lista de espécies ameaçadas de extinção. Disponível em: <http://g1.globo.com/natureza/noticia/2014/05/brasil-retira-baleia-jubarte-da-lista-de-especies-ameacadas-de-extincao.html>. Acesso em: 11 out. 2018.
 

CASTRO, P.; HUBER, E. M. Biologia Marinha. 8 ed. Porto Alegre. AMGH, 2012.
 

GARRISON, T. Fundamentos de Oceanografia. 4. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2010.
 

JUBARTE, Instituto Baleia. A Baleia Jubarte. Disponível em: <http://www.baleiajubarte.org.br/projetoBaleiaJubarte/#.>. Acesso em: 11 out. 2018.
 

JUBARTE, Instituto Baleia. Projeto Baleia Jubarte. Disponível em: <http://www.baleiajubarte.org.br/projetoBaleiaJubarte/#.>. Acesso em: 11 out. 2018.
 

LODI, L.; BOROBIA, M. Baleias, Botos e Golfinhos do Brasil – Guia de identificação. 1 ed. Rio de Janeiro. Technical Books, 2013.
 

Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter
Please reload

Seja um apoiador da revista!

 

Para continuarmos nosso trabalho, estamos lançando uma campanha de financiamento coletivo na plataforma Catarse.

 

VOCÊ PODE SER UM APOIADOR PATROCINADOR desta missão sendo assinante mensal!

Acesse o link e apoie essa ideia! ✅✅✅

Revista Biologia Marinha: um oceano de conhecimento! ✅🌊

Receba os artigos gratuitamente!

© 2019 por Projeto Biologia Marinha Bióicos